A Confederação Nacional do Transporte tornou pública a Pesquisa CNT de Perfil dos Caminhoneiros 2016, com informações gerais sobre o
profissional e a sua atividade. Foram entrevistados 1.066 caminhoneiros (autônomos e empregados de frota), de 4 a 14 de novembro de 2015.

A pesquisa revelou que a média de idade dos motoristas é de 44,3 anos e a renda mensal líquida média é de R$ 3,9 mil, sendo que
caminhoneiros autônomos ganham R$ 4,1 mil e caminhoneiros empregados de frota, R$ 3,4 mil. Em média, os entrevistados estão na profissão há 18 anos.

A frota tem em torno de 13,9 anos (16,9 anos dos veículos dos autônomos e 7,5 anos dos veículos de frota). Os caminhoneiros rodam cerca de 10 mil km por mês e trabalham aproximadamente 11,3 horas por dia. 86,8% afirmam que houve queda da demanda por seus serviços em 2015. Desses, 74,1% alegam que o motivo foi a crise econômica. No total, 44,8% têm alguma dívida a vencer.

Sobre os entraves da profissão, 46,4% citam o custo do combustível e 40,1% relatam que o valor do frete não cobre as despesas. Outros pontos negativos são: perigo/insegurança (60,6%), o fato de ser uma profissão desgastante (34,9%) e o comprometimento do convívio familiar (32,1%). Em relação aos
pontos positivos, eles destacaram a possibilidade de conhecer novas cidades/países (47,0%), a possibilidade de conhecer pessoas (33,0%) e o fato de a profissão ser desafiadora e aventureira (28,5%).

A maioria (88,4%) tem conhecimento sobre a Lei do Caminhoneiro, mas 34,7% não estão satisfeitos e não cumprem o tempo de descanso. Os caminhoneiros reclamam também das más condições de infraestrutura de apoio das rodovias.

Sobre a saúde, 44,6% procuram profissionais dessa área para prevenir doenças e 24,0% utilizam ou já utilizaram medicamento controlado. Desse total, 57,7% para hipertensão. 59,9% disseram consumir bebida alcoólica apenas aos finais de semana. 45,6% dos caminhoneiros receberam oferta de algum tipo de droga ou substâncias ilícitas. Do total de caminhoneiros entrevistados, 12,1% chegaram a experimentar.

Para ler a pesquisa na íntegra, clique aqui.

Fonte: Agência CNT

 

A Medida Provisória 707 prorrogou para 30 de junho deste ano o prazo para formalização das operações de refinanciamento do ProCaminhoneiro. A MP foi publicada no Diário Oficial da União em 31 de dezembro passado, que seria o último dia do prazo.

O documento trata dos refinanciamentos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para operações destinadas à aquisição e produção de bens de capital e à inovação tecnológica, realizadas com subvenção econômica da União. A extensão dos prazos para o pagamento das dívidas foi um dos pedidos feitos pelos caminhoneiros ao governo federal no ano passado. ”A MP possibilitará que as negociações possam ser concluídas pelos interessados com efetiva adesão dos bancos privados, conforme demanda da categoria”, afirma o coordenador do Fórum Permanente de Transportes de Cargas, Herbert Drummond,

A normativa contempla os esforços das lideranças dos transportadores autônomos de carga e do Ministério dos Transportes, por meio do Fórum Permanente de Transportes de Cargas (Fórum TRC), junto às instâncias superiores do governo federal. “Neste Fórum houve uma intensa luta para que fosse respeitado o direito do caminhoneiro de refinanciar suas dívidas. Esperamos que todos os esforços permitam equilibrar de vez a relação entre os segmentos envolvidos e que possamos dar seguimento, com tranquilidade, a tantas outras demanadas do setor", comenta o presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes. 

Sobre o Fórum TRC

Desde 24 de junho do ano passado, quando foi instalado, o Fórum TRC realiza reuniões periódicas com as lideranças para discutir e oferecer sugestões e medidas técnicas para o aperfeiçoamento do setor. 

* Com informações do Ministério dos Transportes

aaabcamAbr2019 cadastramento caminhoneiros

Busca no site

Assine a nossa newsletter

*campos obrigatórios

Projetos





logo despoluir