7 passos para se prevenir de assaltos na estrada

Assaltos na estrada são uma preocupação frequente do transportador. A ação de quadrilhas especializadas em roubo de cargas resultou, em 2018, no...

Leia mais...
Sono irregular é realidade de 40% dos caminhoneiros

A qualidade do sono do caminhoneiro que viaja por rodovias brasileiras está aquém do que é considerado saudável...

Leia mais...
O Vale-Pedágio é obrigatório?

O custo do pedágio não pode estar embutido no valor do frete contratado, é o que determina a lei nº 10.209, em 23...

Leia mais...
Entenda os riscos de rebaixar seu caminhão

Alterar as características originais dos veículos é comum entre muitos motoristas, principalmente os mais jovens....

Leia mais...

aaabcamAbr2019 cadastramento caminhoneiros

palavra presidente

 

Reforma Trabalhista - qual o cenário para o caminhoneiro autônomo?

Em artigo publicado pela Folha de São Paulo, o presidente da CNT, Clésio Andrade, apresentou a sua visão de futuro para o crescimento econômico do Brasil. De fato, é preciso modernizar as relações de trabalho no país. É preciso fazer o Brasil voltar a crescer, e ele, como representante do transporte brasileiro enxerga com notoriedade essa necessidade.

A aprovação da reforma trabalhista traz consigo a promessa de aumento de investimentos, a geração de empregos e a segurança jurídica necessária ao modelo moderno de contratações. 

Não há dúvidas de que as empresas se tornarão mais competitivas e estáveis, afinal haverá uma liberdade na hora de contratar ou demitir, além de flexibilizar as jornadas de trabalho e os tipos de contratação. 

Entretanto, qual será o novo cenário para o caminhoneiro autônomo? Como ficará sua jornada de trabalho e o pagamento da hora parada de descanso? Será que teremos menos conflitos e maior capacidade de negociação?

A promessa era de que haveria queda da inflação e das taxas de juros, algo que beneficiaria a todo o Brasil. Entretanto até o momento, o caminhoneiro autônomo não colheu os frutos iniciais desta reforma. Pelo contrário. Estamos pagando o aumento do diesel após as alteração das alíquotas do PIS e COFINS.

Além disso, o caminhoneiro continua a sofrer a falta de uma tabela de frete que garanta certa estabilidade da remuneração recebida no transporte rodoviário de cargas. 

Espera-se, no entanto, que o Governo e o Congresso Nacional, que tanto persistiram pela aprovação da reforma trabalhista, que se comprometam com o transporte autônomo de cargas e promova as melhorias para que todas as promessas advindas da aprovação desta reforma cheguem até o caminhoneiro. 

Mais de meio milhão de transportadores aguardam as boas novas! Que seja breve! Caso contrário não teremos o avanço necessário para recolocar o Brasil no patamar das nações modernas, sustentáveis e competitivas do mundo. 

 

José da Fonseca Lopes

 

Captura de Tela 2018 06 19 as 10.18.18

Assine a nossa newsletter

*campos obrigatórios

Projetos





logo despoluir



Federações Parceiras

logo fecamSPLOGO MARCA FETAC 01Fecam RS