Associação esclarece sobre a paralisação de caminhoneiros

 

A Abcam afirma que respeitará a decisão daqueles que optarem pela greve, entretanto solicita que a manifestação seja feita em casa, com os transportadores deixando de entregar suas cargas, e não bloqueando as rodovias.

O aumento significativo do diesel após as alteração das alíquotas do PIS e COFINS preocupa os caminhoneiros. A notícia chegou em péssima hora para a categoria, que ainda sofre com a falta de aplicabilidade da Lei do Caminhoneiro e com a falta de uma tabela de frete que garanta certa estabilidade da remuneração recebida no transporte rodoviário de cargas. 

A insatisfação e a preocupação com a garantia do sustento do trabalhador está sendo discutida pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros – Abcam e suas entidades filiadas. As Federações estão realizando consultas com os transportadores de seus Estados para saber a vontade em aderir ou não à uma paralisação. 

“Até o momento, não recebemos nenhuma sinalização de adesão à greve”, explica o presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes. 

Segundo a análise feita pela entidade, a paralisação pode trazer um prejuízo muito maior ao transportador, que além de perder um dia de remuneração, continuará a arcar com a alta dos impostos. A solução encontrada é aumentar o frete em média 5%, passando o aumento do custo para o contratante. 

A desoneração do PIS/Confins sobre o óleo diesel é um pleito antigo da categoria. Este foi tema amplamente discutido durante as paralisações ocorridas em fevereiro de 2015 mas que continua latente nas discussões com o governo, especialmente no Fórum TRC, do Ministério dos Transportes. 

A Abcam afirma que respeitará a decisão daqueles que optarem pela greve, entretanto solicita que a manifestação seja feita em casa, com os transportadores deixando de entregar suas cargas, e não bloqueando as rodovias. “É preciso respeitar o direito de ir e vir de cada um. Aqueles que quiserem aderir à greve serão respeitados, porém não será aceito impedir que aqueles que desejam trabalhar, continuem seu trajeto” comenta Fonseca. 

Projetos









Main Menu - Mobile